José Ingenieros

 

VRB – Explicável pelas mais diversas causas, a mediocridade está presente na maioria populacional de cada país, pouco importando o seu grau de desenvolvimento cultural, científico e tecnológico. O progresso apenas beneficia materialmente as pessoas medíocres, que permanecem satisfeitas com as condições em que vivem e não desenvolvem, por isso, o sentido crítico sobre o que acontece ao seu redor e no mundo.

 

Ingenieros – O homem medíocre é uma sombra projetada pela sociedade; é, por essência, imitativo, e está perfeitamente adaptado para viver em rebanho, refletindo rotinas, preconceitos e dogmatismos reconhecidamente úteis para a domesticidade.

 

VRB – Medíocre é, então, toda pessoa privada da capacidade criativa.

 

Ingenieros – O medíocre nada inventa, nada cria, não impulsiona, não rompe, não engendra; mas, em compensação, sabe custodiar zelosamente a armação dos automatismos, dos preconceitos e dogmas acumulados durante séculos defendendo esse capital comum contra os assaltos dos inadaptáveis. Seu rancor contra os criadores é compensado pela sua resistência aos destruidores. Os homens sem ideais desempenham, na história humana, o mesmo papel da hereditariedade na evolução biológica; conservam e transmitem as variações úteis para a continuidade do grupo social. Constituem uma força destinada a contrastar o poder dissolvente dos inferiores e a conter as antecipações atrevidas dos visionários. São necessários à coesão do conjunto, como o cimento, para sustentar um mosaico bizantino. Mas — é preciso dizê-lo, o cimento não é o mosaico.

As rotinas defendidas, hoje, pelos medíocres são simples glosas coletivas de ideais concebidos ontem por homens originais. O grosso rebanho social vai ocupando, à passo de tartaruga, as posições atrevidamente conquistadas muito antes por suas sentinelas avançadas, perdidas na distância; e estes já estão muito longe, quando a massa cuida estar batendo na sua retaguarda. O que ontem foi ideal, contra uma rotina será, amanhã, rotina, por sua vez, contra outro ideal.

 

VRB - As rotinas são necessárias enquanto funcionam. São programas de ações para facilitar o funcionamento de atividades intelectuais, físicas e sociais. Mas se tornam grilhões, quando impedem a criatividade intelectual e o desempenho social no enfrentamento de novos desafios resultantes do processo das mudanças.

 

Ingenieros – A rotina é a síntese de todas as renúncias.

O homem medíocre só tem rotinas no cérebro.

 

VRB – Poder-se-ia traçar, teoricamente, o perfil psicológico do medíocre?

 

Ingenieros – A psicologia dos homens medíocres caracteriza-se por um traço comum: a incapacidade de conceber uma perfeição, de formar um ideal.

São rotineiros, honestos, mansos; pensam com a cabeça dos outros, condividem a hipocrisia moral alheia, e ajustam o seu caráter às domesticidades convencionais. Estão fora de sua órbita o engenho, a virtude e a dignidade, privilégio dos caracteres excelentes; sofrem, por isso, e os desdenham. São cegos para as auroras; ignoram a quimera do artista, o sonho do sábio e a paixão do apóstolo. Condenados a vegetar, não suspeitam que existe o infinito, para além dos seus horizontes.

O horror do desconhecido ata-os a mil preconceitos tornando-os timoratos e indecisos; nada aguilhoa a sua curiosidade; carecem de iniciativa, e olham sempre para o passado, como si tivessem olhos na nuca.

 

VRB – Apesar disso, poderiam ser pessoas virtuosas?

 

Ingenieros – São incapazes de virtude; ou não a concebem, ou ela lhes exige demasiado esforço. Nenhum afã de santidade consegue pôr em alvoroço o sangue do seu coração; às vezes não praticam crimes, com medo do remorso.

Não vibram em tensões mais altas de energia; são frios, embora ignorem a serenidade; apáticos, sem serem previsores; acomodatícios sempre, nunca equilibrados. Não sabem estremecer, num calafrio, sob uma carícia terna, nem desencadear de indignação, diante de uma ofensa.

Repudiam as coisas líricas, porque obrigam a pensamentos muito altos e a gestos demasiado dignos. São incapazes de estoicismos: sua frugalidade é um cálculo para gozar mais tempo os "prazeres, reservando maior perspectiva de gozos para a velhice impotente. Sua generosidade é sempre dinheiro dado em usura. Sua amizade é uma complacência servil, ou uma adulação proveitosa.

O medíocre é solene. Na pompa grandíloqua das exterioridades, busca um disfarce para a sua íntima vacuidade.

 

VRB – Há medíocres que, no entanto, se vangloriam de sua prudência, rejeitando os riscos e louvando a excelência da segurança. A aventura, seja de que natureza for, é sempre, para eles, um risco desnecessário, mesmo que importe em progresso pessoal ou coletivo.

 

Ingenieros - A excessiva prudência dos medíocres paralisou sempre as iniciativas mais fecundas.

 

VRB – Como você definiria o homem superior? Ele sabe conciliar os ditames da razão com os apelos da emoção segundo cada circunstância específica?

 

Ingenieros – Os maiores espíritos são os que associam as luzes do intelecto às magnificências do coração.

Toda grandeza de espírito exige a cumplicidade do coração. 

O homem superior é um acidente proveitoso para a evolução humana.

 

VRB – E como ocorre esse acidente proveitoso?

 

Ingenieros – Do equilíbrio entre a inspiração e a sabedoria nasce o gênio.

 

VRB – Há ainda, em nosso tempo, quem afirme que a genialidade é uma forma de psicopatia, com fundamento da presença de pessoas tidas como geniais em manicômios.

 

Ingenieros – Se temos notícias dos desequilíbrios dos gênios, e não dos pacóvios, não é porque estes sejam faróis de virtude, senão, por outro motivo muito singelo: a história somente se ocupa com os primeiros, ignorando os segundos.

Para cada poeta alcoólatra, há dez milhões de tafues que bebem, como ele; para cada filósofo uxoricida, há cem mil uxoricidas que não são filósofos; para cada sábio experimentador, cruel para com um cão, ou uma rã, há uma incontável corte de caçadores e toureiros, que levam vantagens na impiedade.

E que dirá a história? Houve um poeta alcoólatra, um filósofo uxoricida, e um sábio cruel: os milhões de anônimos não têm biografia.

Nós, que temos visitado cem cárceres, podemos assegurar que havia neles cinqüenta mil homens de inteligência inferior, ao lado de cinco ou de vinte homens de talento. Não vimos sequer um homem de gênio.

É falso que o talento e o gênio povoem os asilos; se enlouquecem, por acaso, dez homens excelentes, encontram-se, ao seu lado, um milhão de espíritos vulgares: os alienistas estudarão a biografia dos dez e ignorarão a do milhão. E, para enriquecer os seus catálogos com gênios enfermos, incluirão em suas listas homens engenhosos, quando não incluem simples desequilibrados intelectuais, que são “imbecis com a libré do gênio.

A incompreensão destes pormenores fez que, em todos os tempos, se atribuísse à insânia a genialidade de tais homens, concretizando-se, por fim, a surrada hipótese do seu parentesco com a loucura, cômoda de ser aplicada a todos quantos se elevam sobre os comuns processos do raciocínio rotineiro e da atividade doméstica. Mas esquece-se que, inadaptado, não quer dizer alienado: o gênio não poderia consentir na sua adaptação à mediocridade.

 

VRB – Com base no que foi dito, como fazer a diferença entre a genialidade e a loucura?

 

Ingenieros – No gênio, o espírito se ausenta dos outros; na loucura, se ausenta de si mesmo.

O gênio descobre o que escapa à reflexão de séculos ou de gerações.

Para conservar intactos os seus atributos, o gênio necessita de períodos de recolhimento; o contato prolongado com a mediocridade embota as idéias originais e corrói os caracteres mais adamantinos. Por isso, com freqüência, toda superioridade é um desterro.

 

VRB – A santidade é um critério religioso. É possível encontrá-la na genialidade?

 

Ingenieros – A fé é a força do gênio.

A fé é de visionários e o fanatismo é de servos.

Os gênios morais são os santos da humanidade. A evolução dos sentimentos coletivos, representados pelos conceitos do bem e da virtude, opera-se por meio de homens extraordinários. Neles se resume ou se polariza alguma tendência imanente do contínuo vir-a-ser moral.

Alguns legislam e fundam religiões, como Manú, Confúcio, Moisés ou Buda, em civilizações primitivas, quando os Estados são teocracias; outros pregam e vivem a sua moral, como Sócrates, Zenão ou Cristo, confiando a sorte dos seus novos valores à eficácia do exemplo; há, enfim, os que transformam racionalmente as doutrinas, como Antístenes, Epicuro ou Spinoza.

Seja qual for o juízo que, da posteridade, mereçam os seus ensinamentos, todos eles são inventoras forças originais na evolução do bem e do mal, na metamorfose das virtudes.

 

VRB - Indivíduo é aquele que emerge do coletivo, embora permaneça nele. Está no grupo, mas não é do grupo. Os que se tornam indivíduos jamais imergirão, de novo, no coletivo, mesmo que o coletivo se amplie cada vez mais no processo de globalização do planeta.

 

Ingenieros – Todo individualismo, como atitude, é uma revolta contra os dogmas e os valores falsos, respeitados pelas mediocracias.

O individualismo é nobre, se um ideal o alimenta e o eleva.

 

VRB – Qual o seu conceito de normalidade? O que é o homem normal?

 

Ingenieros – O conceito de normalidade humana só poderia ser relativo a determinado ambiente social; serão normais os que melhor “marcam passo”, os que enfileiram com mais exatidão nas hostes de um convencionalismo social.

Neste sentido, homem normal não seria sinônimo de homem equilibrado, senão de homem domesticado; a passividade não é equilíbrio, não é uma complicada resultante de energias, e, sim, a sua ausência. 

Seu traço característico, absolutamente inequívoco, é a sua deferência para com a opinião dos outros. Nunca fala; repete sempre. Julga os homens como os ouve julgar. Reverenciará o seu mais cruel adversário, se este conseguir elevar-se; desdenhará o seu melhor amigo, se ninguém o elogiar. O seu critério carece de iniciativa. Suas admirações são prudentes. Seus entusiasmos são oficiais.

 

VRB – Por mais absurdo que pareça, um inimigo, às vezes, nos é necessário. Ele funciona como um contraponto, suprindo as deficiências que os nossos amigos não percebem ou, percebendo-as, se sentem constrangidos em nos revelar.

 

Ingenieros – Eis aqui uma nova base para a tolerância; todo homem necessita de seu inimigo.

 

VRB – Por mais informados que sejam, por mais conhecimentos que tenham, os medíocres não se curam de sua mediocridade. Essa dispepsia mental os impede de assimilar o que conhecem.

 

Ingenieros – Engolem sem digerir, até a indigestão mental; ignoraram que o homem não vive do que engole, senão do que assimila. O atascamento pode convertê-los em eruditos e a repetição pode dar-lhes hábitos de ruminantes. As noções mal digeridas só servem para atolar o entendimento.

 

VRB – Não se pode negar a influência de pessoas, consideradas ou veneradas como santas, sobre as mudanças sociais. Falo, porém, da santidade verdadeira e não daquela oficializada pela religião em homenagem a determinadas pessoas.

 

Ingenieros – Toda a santidade é excessiva, transbordante, não por cálculo; por impulsos firmes de coração, mais do que por doutrinarismos racionais: quase todos foram assim.

Na história do sentimento religioso, somente são gênios os que fundam ou transformam, mas, de maneira alguma, os que organizam ordens, estabelecem regras, repetem um credo, praticam uma norma, ou difundem um catecismo.

Cada hora da humanidade tem um clima, uma atmosfera e uma temperatura, que, sem cessar, variam. Cada clima é propício ao florescimento de certas virtudes; cada atmosfera se carrega de crenças que assinalam a sua orientação intelectual; cada temperatura marca os graus de fé com que se acentuam ideais e aspirações.

Uma humanidade que evolui, não pode ter ideais imutáveis, senão, incessantemente perfectíveis, cujo poder de transformação deve ser infinito, como a vida.

As virtudes do passado não são as virtudes do presente; os santos de amanhã não serão os mesmos de ontem. Cada momento da história, requer certa forma de santidade' que seria estéril, se não fosse oportuna; pois as virtudes se vão plasmando nas variações da vida social.

 

VRB – Fundamentalmente, somos o que cremos. E a crença, seja na religião que se professa, seja na dedicação à ciência, é uma força poderosa que nos impele à ação.

 

Ingenieros – A força das crenças está em não serem puramente racionais; pensamos com o coração e com a cabeça. Elas não implicam um conhecimento exato da realidade; são simples juízos a seu respeito, suscetíveis de correções e de substituições. São instrumentos atuais; cada crença é uma opinião contingente e provisória.

Todo juízo implica uma afirmação: o juízo negativo é uma crença, tal como o afirmativo. Toda negação é, em si mesma, afirmativa; negar é afirmar uma negação. A atitude é idêntica; crê-se o que se afirma, ou o que se nega. O contrário da afirmação não é negação, é a dúvida. Para afirmar ou negar, é preciso crer. Ser alguém, é crer intensamente: pensar é crer; amar é crer; odiar é crer; lutar é crer; viver é crer.

As crenças são os móveis de toda atividade humana. Não é preciso que sejam verdades: cremos com antecedência a todo raciocínio, e cada uma das novas noções é adquirida através de crenças já preformadas. A dúvida deveria ser mais comum visto que, com ela, escasseiam os critérios de certeza lógica a primeira atitude, entretanto, é uma adesão ao que se apresenta à nossa experiência.

 

VRB – Mas, há crenças que impedem o desenvolvimento do ser humano, sendo, portanto, prejudiciais.

 

Ingenieros – A maneira primitiva de pensar as coisas consiste em nelas acreditar tais como as sentimos; as crianças, os selvagens, os ignorantes, os espíritos débeis, são acessíveis a todos os erros — brinquedos frívolos das pessoas, das coisas e das circunstâncias. Qualquer coisa pode desviar um baixel sem governo.

Essas crenças são como os cravos que penetram com um só golpe; as convicções firmes entram como os parafusos, pouco a pouco, a força de observação e de estudo. É mais laboriosa a sua aquisição; mas, enquanto que os cravos cedem ao primeiro impulso vigoroso, os parafusos resistem e mantêm em pé a personalidade.

 

VRB – Uma das mais raras virtudes do ser humano é a dignidade. E, em certos períodos de cada país, torna-se de tal raridade, que pensamos ter desaparecido.

 

Ingenieros – Quando o homem digno começa a despertar ciúmes, é grave o envilecimento coletivo; quando a dignidade parece absurda, e é coberta de ridículo, a domesticidade dos medíocres chegou aos seus extremos.

Ser digno significa não pedir o que se merece: nem aceitar o imerecido. Enquanto os servis sobem, por entre as malhas do favoritismo, os austeros ascendem pela escadaria das suas virtudes, ou então, por nenhuma.

O pão ensopado na adulação, que engorda o servil envenena o digno. Este prefere perder um direito, a obter um favor; mil danos lhe serão mais leves, do que medrar indignamente. Qualquer ferida é transitória e pode doer uma hora; a mais leve domesticidade dará um remorso que durará toda a vida.

Os homens exemplares desdenham qualquer favor: julgam-se superiores ao que pode ser dado sem mérito. Preferem viver crucificados sobre o seu orgulho, a prosperar de rastros; desejariam que, ao morrer, o seu ideal os acompanhasse, vestido de branco, e sem manchas de rebaixamentos, como se fossem desposá-lo mais além da morte.

Vivem com a obsessão de não depender de pessoa alguma; sabem que, sem independência material, a honra está exposta a mil ciladas, e, para adquiri-la, suporta os mais rudes trabalhos, cujo fruto será a sua liberdade no porvir.

 

VRB – A pobreza é um poderoso empecilho à dignidade e também ao exercício da liberdade.

 

Ingenieros – Todo parasita é um lacaio; todo mendigo é um domesticado. O faminto pode ser um rebelde; não é nunca um homem livre. A miséria é a inimiga poderosa da dignidade; esmigalha os caracteres vacilantes, e incuba os piores servilismos. Aquele que atravessou dignamente o período da pobreza, é um heróico exemplar do caráter.

O pobre não pode viver a sua vida, por serem tantos os compromissos da sua indigência; redimir-se da miséria, é começar a viver. Todos os homens altivos vivem sonhando com uma modesta independência material; a miséria é a mordaça que trava a língua e paralisa o coração. É preciso fugir às suas garras, para poder eleger o ideal mais alto, o trabalho mais agradável, a mulher mais santa, os amigos mais leais, os horizontes mais risonhos, o isolamento mais tranqüilo.

 

VRB – Filósofos famosos se posicionaram contra a democracia. Você concorda com eles?

 

Ingenieros – À medida que se difunde o regime democrático, restringe-se a função dos homens superiores.

Até agora, não existiu uma democracia efetiva. Os regimes que adotaram tal nome foram ficções. As pretendidas democracias de todos os tempos não foram senão confabulações de profissionais, para tirar proveito das massas e excluir os homens eminentes. Foram sempre mediocracias. A premissa da sua mentira foi existência de um “povo” capaz de assumir a soberania do Estado. Não há tal: as massas de pobres e ignorantes não tiveram, até hoje, aptidão para se governarem: mudaram apenas de pastores.

A igualdade é um equívoco ou um paradoxo, conforme os casos. A democracia foi uma miragem, como todas as abstrações que povoam a fantasia dos iludidos ou formam o capital dos mendazes. O povo sempre esteve ausente dela.

 

VRB – Não há superioridade que não desperte a inveja dos medíocres. É o preço que certas pessoas pagam por sua superioridade.

 

José Ingenieros - A inveja pertence aos corações pequenos.

A inveja nasce do sentimento de inferioridade em relação ao seu objeto.

O invejoso passivo é solene e sentencioso; o ativo é um escorpião atribiliário.

O motivo da inveja se confunde com o da admiração, sendo ambas dois aspectos de um mesmo fenômeno. Apenas, a admiração nasce no forte, e a inveja no subalterno.

Invejar é uma forma berrante de prestar homenagem à superioridade.

Não ser invejado é uma garantia inequívoca de mediocridade.